Juiz expande ordem de silêncio de Trump, que pagou fiança de 175 milhões em caso de fraude civil

O juiz do caso criminal de Donald Trump alargou a ordem de silêncio do ex-presidente na segunda-feira, depois que aquele atacou a filha do juiz e fez uma afirmação falsa sobre ela nas redes sociais na semana passada.

O juiz Juan M. Merchan disse que sua ordem de silêncio original emitida na última terça-feira não incluía membros de sua família, mas as ações subsequentes de Trump justificavam incluí-los.

A filha de Merchan, Loren Merchan, é uma consultora política democrata. Os promotores pediram que Merchan esclarecesse ou ampliasse a sua ordem de silêncio depois que Trump escreveu em sua plataforma Truth Social que Loren Merchan “ganha dinheiro trabalhando para ‘pegar Trump'” e a acusou injustamente de postar uma foto nas redes sociais mostrando-o atrás das grades.

Juan M. Merchan

O julgamento, que envolve alegações de que Trump falsificou registos de pagamentos num esquema para encobrir histórias negativas durante a sua campanha presidencial de 2016, está agendado para começar a 15 de abril. Trump nega qualquer irregularidade e declarou-se inocente de 34 acusações de falsificação de registos comerciais. Os advogados de Trump lutaram contra a ordem de silêncio e a sua expansão, argumentando que Trump estava envolvido num discurso de campanha política protegido.

Trump paga fiança de 175 milhões em caso de fraude civil, evitando apreensões de ativos

Donald Trump pagou uma fiança de 175 milhões de dólares no seu caso de fraude civil em Nova Iorque na segunda-feira, evitando apreensões de bens por autoridades estatais que poderiam ter prejudicado o império empresarial do ex-presidente dos EUA.

O republicano Trump, que enfrentará o presidente democrata Joe Biden nas eleições de novembro nos EUA, foi considerado responsável em 16 de fevereiro por inflacionar fraudulentamente o seu património líquido em biliões de dólares para garantir melhores condições de empréstimos e seguros.

Trump originalmente precisava pagar uma fiança de 454 milhões de dólares, mas um tribunal de apelações a 25 de março suspendeu a execução da sentença do juiz Arthur Engoron, com a condição de que Trump pagasse a quantia menor no prazo de 10 dias.

Um painel de três juízes do tribunal de apelações ouvirá o recurso de Trump sobre o mérito. A decisão do tribunal de apelação que reduz a fiança não é uma indicação de como o painel decidirá em última instância.

A fiança impede que a procuradora-geral de Nova Iorque, Letitia James, vá atrás das propriedades de Trump, incluindo a Trump Tower, o seu resort e campo de golfe de 370 acres em Westchester e a sua propriedade em Mar-a-Lago, na Florida.

Trump negou qualquer irregularidade e disse que o caso é uma caça às bruxas política por parte de James, uma democrata que o processou em 2022.

Num despacho de 92 páginas, o juiz Engoron descreveu como Trump orientou os assistentes a alterar os valores das suas propriedades para chegar ao património líquido desejado durante uma década antes da sua entrada na política.

O caso faz parte de um turbilhão de problemas jurídicos que Trump enfrenta, incluindo um julgamento criminal em Nova Iorque marcado para começar em 15 de abril.

Trump, que se declarou inocente, é acusado nesse caso de encobrir ilegalmente pagamentos secretos de dinheiro a uma actriz pornográfica, antes das eleições de 2016. Ele também foi acusado em dois casos de tentar reverter sua derrota nas eleições de 2020 para Biden e em outro por lidar com documentos confidenciais ao deixar o cargo.

Estes estão atolados em atrasos e poderão não ser julgados antes das eleições de Novembro. Trump declarou-se inocente em todos eles.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest