Morre paciente que recebeu coração de porco geneticamente modificado

O primeiro homem a receber um transplante um coração de porco geneticamente modificado, David Bennet, morreu ontem, informou o Centro Médico da Universidade de Maryland, em Baltimore, nos Estados Unidos, nesta quarta-feira, 9.

“Não há nenhuma causa óbvia identificada no momento da sua morte”, disse uma porta-voz do hospital.

Funcionários do hospital disseram que não poderiam dar mais detalhes sobre a morte porque os médicos ainda não fizeram um exame completo, mas pretendem publicar os resultados numa revista médica.

Entretanto, o cirurgião que realizou o transplante, Bartley Griffith, afirmou que a equipa ficou “devastada” com a perda de Bennett.

“Ele provou ser um paciente corajoso e nobre que lutou até o fim”, acrescentou Griffith.

O transplante de coração foi um dos vários procedimentos pioneiros nos últimos meses em que órgãos de porcos geneticamente modificados foram usados para substituir órgãos em seres humanos.

O processo, chamado xenotransplante, oferece uma nova esperança para dezenas de milhares de pacientes com rins, corações e outros órgãos doentes, pois há uma escassez aguda de órgãos doados.

O porco doador pertencia a um rebanho que passou por uma técnica de modificação genética pela empresa de biotecnologia Revivicor, que também forneceu o porco usado em um transplante de rim inovador feito num paciente com morte cerebral em Nova Iorque em outubro de 2021.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest