Morreu a ex-primeira-dama americana, Rosalynn Carter

Faleceu aos 96 anos a antiga primeira-dama Rosalynn Carter, a conselheira mais próxima de Jimmy Carter durante o seu único mandato como Presidente dos Estados Unidos e sua companheira nas quatro décadas que se seguiram em que se dedicaram ao trabalho humanitário a nível mundial.

Os Carter foram casados durante mais de 77 anos, forjando o que ambos descreveram como uma “parceria plena”. Ao contrário de muitas das anteriores primeiras-damas, Rosalynn participava nas reuniões do Gabinete, pronunciava-se sobre questões controversas e representava o marido em viagens ao estrangeiro. Os assessores do Presidente Carter referiam-se por vezes a ela – em privado – como “copresidente”.

“Rosalynn é a minha melhor amiga (…) a extensão perfeita de mim, provavelmente a pessoa mais influente da minha vida”, disse Jimmy Carter aos assessores durante os anos que passaram na Casa Branca, de 1977 a 1981.

Ferozmente leal e compassiva, bem como politicamente astuta, Rosalynn Carter orgulhava-se de ser uma primeira-dama ativista, e ninguém duvidava da sua influência nos bastidores. Quando se tornou conhecido o seu papel numa mudança de gabinete altamente publicitada, foi forçada a declarar publicamente: “Não estou a dirigir o governo.”

Muitos dos assessores presidenciais insistiam que os seus instintos políticos eram melhores do que os do marido – muitas vezes conseguiam o seu apoio para um projeto antes de o discutirem com o Presidente. A sua vontade férrea, em contraste com o seu comportamento exteriormente tímido e um suave sotaque sulista, inspirou os jornalistas de Washington a chamar-lhe “a Magnólia de Aço”.

Ambos os Carter disseram nos seus últimos anos que Rosalynn tinha sido sempre a mais política dos dois. Após a derrota esmagadora de Jimmy Carter em 1980, foi ela, e não o antigo Presidente, que contemplou um regresso implausível e, anos mais tarde, confessou ter saudades da sua vida em Washington.

Jimmy Carter confiava tanto nela que, em 1977, poucos meses após o início do seu mandato, a enviou numa missão à América Latina para dizer aos ditadores que ele estava a falar a sério quando disse que negava ajuda militar e outros apoios aos violadores dos direitos humanos.

Ela também tinha fortes sentimentos em relação ao estilo da Casa Branca de Carter. Os Carter não serviam bebidas alcoólicas fortes em eventos públicos, embora Rosalynn permitisse vinho americano.

Ao longo da carreira política do marido, escolheu a saúde mental e os problemas dos idosos como a sua principal prioridade política. Quando os meios de comunicação social não cobriram esses esforços tanto quanto ela acreditava ser necessário, criticou os repórteres por escreverem apenas sobre “assuntos sensuais”.

Como presidente honorária da Comissão Presidencial de Saúde Mental, testemunhou uma vez perante uma subcomissão do Senado, tornando-se a primeira-dama desde Eleanor Roosevelt a dirigir-se a um painel do Congresso. Voltou a Washington em 2007 para pressionar o Congresso a melhorar a cobertura da saúde mental, dizendo: “Há tanto tempo que andamos a trabalhar nisto, que finalmente parece estar ao nosso alcance”.

Depois de Ronald Reagan ter ganho as eleições de 1980, Rosalynn Carter parecia mais visivelmente devastada do que o seu marido. Inicialmente, não tinha grande interesse em regressar à pequena cidade de Plains, na Geórgia, onde ambos nasceram, casaram e passaram a maior parte das suas vidas.

“Estava hesitante, não tinha a certeza de que poderia ser feliz aqui depois do deslumbramento da Casa Branca e dos anos de estimulantes batalhas políticas”, escreveu na sua autobiografia de 1984, “First Lady from Plains”. Mas “lentamente redescobrimos a satisfação de uma vida que tínhamos deixado muito antes”.

Depois de deixar Washington, Jimmy e Rosalynn co-fundaram o Centro Carter em Atlanta para continuar o seu trabalho. Rosalynn presidiu ao simpósio anual do centro sobre questões de saúde mental e angariou fundos para esforços de ajuda aos doentes mentais e aos sem-abrigo. Também escreveu “Helping Yourself Help Others”, sobre os desafios de cuidar de familiares idosos ou doentes, e uma sequela, “Helping Someone With Mental Illness”.

Os Carters saíam de casa, com frequência, em missões humanitárias, construindo casas com a Habitat for Humanity e promovendo a saúde pública e a democracia no mundo em desenvolvimento.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest