Porto Novo: Esgotos a céu aberto inquietam os munícipes que voltam a pedir investimentos no saneamento

Os munícipes têm manifestado, nos últimos dias, inquietação face ao vazamento de esgotos na cidade do Porto Novo (Santo Antão) e voltaram esta quarta-feira, 26, a pedir os investimentos prometidos pelo Governo no domínio de saneamento nesta urbe.

A Inforpress constatou que os munícipes estão preocupados com os esgotos a céu aberto e pedem a “quem de direito” que resolvam os problemas existentes, mais precisamente, o arrombamento das fossas sépticas, designadamente neste período mais quente que, alertam, está a pôr em causa a saúde pública.

Trata-se de “problemas estruturais” que se colocam ao sector do saneamento na cidade do Porto Novo a nível da gestão dos resíduos líquidos e que, segundo os munícipes, clamam por “uma solução urgente” a bem da saúde pública.

A cidade do Porto Novo dispõe, há mais de duas décadas, de uma rede de esgotos já saturada e obsoleta, que cobre apenas 20 por cento (%) dos 11 mil habitantes deste centro urbano, cujas fossas têm estado a arrombar, sobretudo no período mais quente.

O ministro do Turismo e Transportes, Carlos Santos, disse, recentemente, de visita a Santo Antão, que o Governo “estará muito brevemente” a lançar as obras da rede de esgotos da cidade do Porto Novo.

Carlos Santos explicou que a rede de esgotos desta urbe se insere no âmbito do projeto de água e saneamento desta ilha, que representa um investimento de mais de um milhão de contos.

Além da rede de esgotos, o Governo pretende, no âmbito do projeto de água e saneamento de Santo Antão, instalar no Porto Novo uma estação de tratamento de águas residuais (ETAR).

Conforme os porto-novenses, a cidade do Porto Novo precisa de uma rede de esgotos que abarca todos os bairros deste centro urbano, com 11 mil pessoas.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest