Porto Novo: Peixeiras “ansiosas” para deixar as ruas

As peixeiras da cidade do Porto Novo, Santo Antão, dizem-se “ansiosas” para deixar as ruas, o que deve acontecer dentro de dois meses, com a conclusão do mercado de peixe desta urbe.

Filomena Silva é uma das várias peixeiras que estão a exercer a sua actividade nas ruas da cidade do Porto Novo, dado à inexistência de um espaço adequado para a comercialização do pescado, neste município.


A classe, segundo a mesma fonte, está desejosa de sair das ruas e espera que o mercado fique pronto dentro do prazo previsto, ou seja, dentro de dois meses.


A edilidade porto-novense informou que o mercado de peixe, já em fase adiantada de construção, vai “criar valor a cadeia da pesca” no município, com impacto na actividade das peixeiras que estão nas ruas.


A vendedeiras do pescado vão dispor de “um espaço adequado para a comercialização do pescado com mais higiene e segurança sanitária”, sublinhou o vereador do pelouro de desenvolvimento económico, Valter Silva.


Também, a Associação dos Pescadores e Peixeiras do Porto Novo considera que o mercado vai dignificar o trabalho das peixeiras, vendedores ambulantes e tratadores do pescado.


Co-financiado, em 17 mil contos, pelo Governo de Cabo Verde e pela Cooperação Luxemburguesa, através do Fundo de Descentralização, o mercado de peixe do Porto Novo vai dispor de 27 bancas, além de equipamentos de frio.


Cerca de 300 famílias vivem da pesca em todo o município do Porto Novo.


Inforpress/Fim

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest