Porto Novo: Selo de origem para o queijo do Planalto Norte só depois da remodelação da unidade em Bolona, diz responsável

 O queijo do Planalto Norte, Porto Novo, Santo Antão, só passará a ostentar o selo de origem dos produtos genuínos de Santo Antão depois da remodelação da unidade de produção da zona de Bolona, nesse planalto.

Quem o diz é o representante da cooperativa dos produtores do queijo do Planalto Norte, Adilson Vitória, que explicou que a intenção é “remodelar e colocar de novo a funcionar” a fábrica de Bolona para depois recorrer ao selo, que distingue os produtos agropecuários, o artesanato e os serviços desta ilha.

A qualidade do queijo do Planalto Norte é reconhecida internacionalmente, tendo já conquistado prémios que testam as suas características, atribuídos pela Fundação Slow Food (Itália).

O queijo do Planalto Norte foi premiado em 2017 com o galardão “Slow Cheese Award”, atribuído pela Fundação Slow Food (Itália), ostentando, também, desde 2007, a chancela de “património mundial do gosto”.

A Cooperativa dos Produtores de Queijo do Planalto Norte pretende remodelar e reativar a fábrica de queijo de Bolona, encerrada há 11 anos.

A hipótese de reativação da fábrica de queijo de Bolona, encerrada em 2011, surge numa altura em que esta zona está em vias de dispor de água e energia elétrica, condições essenciais para o funcionamento da unidade, instalada em 2002, no âmbito da cooperação italiana.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest