Portugal: Cabo-verdiana preocupada com o “peso” que a extrema direita está a ganhar 

A cabo-verdiana especialista em Turismo e Igualdade de Género Leila Portela está preocupada com o “peso muito grande” que a extrema-direita está a adquirir em Portugal, afectando muito pessoas negras e afrodescendentes.

Em declarações à Inforpress, Leila Portela que foi uma das promotoras do fórum “A nova era da imigração em Portugal: histórias de sucesso e oportunidades”, que aconteceu em Lisboa no dia 27 de Janeiro, lembrou que a conjuntura política vai-se alterando em Portugal.

“Já há um peso muito grande da extrema direita e sabemos que as pessoas negras e afrodescendentes são muito visadas por esses movimentos radicais. Juntarmos, unirmos forças e mostrar que é possível, demonstrar esse carinho uns pelos outros é muito importante no sentido de trazer luz a momentos que tem sido um pouco difícil na sociedade portuguesa”, considerou.

Para Leila Portela, há sempre pessoas que ainda veem a emigração como um “escape” para as dificuldades sentidas no seu país de origem, por isso, defende um planeamento e uma boa rede de contacto para que quem chega a um país para viver e trabalhar perceba quais são os seus direitos e deveres.

Esta semana, uma carta aberta “Contra o Racismo e a Xenofobia, recusamos o silêncio” teve 213 subscrições de organizações e 8.271 signatários individuais, que decidiram posicionar-se contra a escalada de violência dirigida às comunidades imigrantes em Portugal.

A carta dirigida às entidades com responsabilidades para tomar medidas para que fosse cumprida a Constituição da República Portuguesa foi colocada a circular pela Acção Conjunta Anti-Racista, formada por um conjunto de organizações anti-racistas, incluindo “O lado negro da força”, encabeçada pelo activista cabo-verdiano José Rui Rosário.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest