Portugal: Embaixador classifica de “importância vital” para Cabo Verde o mapeamento da sua diáspora

O embaixador de Cabo Verde em Portugal, Eurico Monteiro, classificou hoje, em Lisboa, de “importância vital” para Cabo Verde o mapeamento da diáspora, como forma de conhecer todas as suas potencialidades e definir “políticas assertivas”.

A declarações foi feita à Inforpress durante a primeira mesa redonda internacional sobre o Mapeamento da Diáspora no Mundo, no âmbito do projecto de mapeamento da diáspora cabo-verdiana, que reúne as comunidades cabo-verdianas residentes em Portugal e nos demais países da Europa.

“Este projecto é de uma importância vital para Cabo Verde, na medida em que também a diáspora cabo-verdiana tem esta essencialidade (…). É conhecer todas as suas potencialidades, o que nos permite ter políticas públicas mais concretas e mais assertivas, baseadas em realidades de facto muito próximas daquilo que está efetivamente no terreno. Nós temos o conhecimento aproximado e nós queremos que o nosso conhecimento seja o mais próximo possível da realidade da diáspora”, frisou.

Para Eurico Monteiro, para falar da essencialidade da diáspora cabo-verdiana, implica “razoavelmente” conhecê-la em termos quantitativos e qualitativos.

O que o país tem realmente, o que representa, quais são os seus valores, quais são as suas mais valias e o contributo que “realmente dão e podem ainda dar mais para Cabo Verde”.

Sobre a escolha de Portugal para a realização desta mesa redonda que marca o arranque do projecto, o embaixador encontra a explicação no facto de existir neste país europeu uma das maiores comunidades cabo-verdianas no mundo.

“Hoje se diz que os Estados Unidos é a maior comunidade, em número, mas em termos de relações próximas, muito directas com Cabo Verde, creio que é Portugal, até também pela distância e pela ligação, e talvez também, por uma razão muito acrescida, de que existem condições institucionais que permitem uma colaboração mais rápida e estreita com as autoridades cabo-verdianas para montar um plano dessa natureza”, considerou.

Segundo Eurico Monteiro, todo esse cenário, aliado à circunstância de haver em Portugal um grupo associativo “muito dinâmico e muito activo”, são elementos no conjunto que justificam “perfeitamente” a escolha de Portugal como o primeiro país onde se está a fazer o lançamento deste “importantíssimo projecto”.

O objectivo do projecto de mapeamento da diáspora cabo-verdiana, do Governo e que confere ao Instituto Nacional de Estatística (INE) o papel de o executar, é definir seu perfil, enquanto parte da população cabo-verdiana expatriada em mais de 40 países do mundo.

A mesa redonda que decorre durante todo o dia de hoje no Centro Cultural Cabo Verde (CCCV), teve a sessão da abertura presidida pelo ministro das Comunidades, Jorge Santos, na presença do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest