Portugal pretende renovar o apoio a projetos ambientais a Cabo Verde

Portugal pretende renovar o apoio a projetos ambientais a Cabo Verde, disse hoje a ministra da tutela, Maria da Graça Carvalho, na capital, Praia, no início de uma visita dedicada a projetos de um ciclo que está a terminar.

“Temos oito projetos a decorrer no valor de 2,3 milhões de euros”, sendo que o objetivo é “terminar estes projetos e [trabalhar] na cooperação futura e também em como operacionalizar a reconversão da dívida de Cabo Verde em projetos ambientais, projeto que veio já do passado, mas que foi confirmado pelo primeiro-ministro português, Luís Montenegro, na visita a Cabo Verde”, em abril.

A ministra do Ambiente e Energia de Portugal acompanha hoje o ministro da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva, na inauguração do Centro de Educação Ambiental de Santa Cruz, que servirá também como plataforma para a sustentabilidade e resiliência no município.

Este projeto, financiado e executado no âmbito do Programa de Cooperação entre Cabo Verde e Portugal (PEC 2021-2024), representa um investimento global de 187.500 euros e servirá para sensibilizar as comunidades locais de Pedro Badejo, 35 quilómetros a norte da capital, Praia.

O ministro cabo-verdiano pretende apresentar novos projetos e mostrou “grande satisfação, por saber que o Governo português mantém todo o interesse em continuar esta cooperação profícua”. 

A visita da governante portuguesa “reforça o compromisso mútuo de Cabo Verde e Portugal em enfrentar desafios ambientais comuns e promover o desenvolvimento sustentável”, acrescentou o Ministério, numa nota sobre a visita.

Maria da Graça Carvalho representará também o Governo junto da comunidade portuguesa, na Praia, na celebração do Dia 10 de Junho, na Embaixada de Portugal, momento que servirá para homenagear o embaixador Paulo Lourenço, que morreu em maio, vítima de ataque cardíaco.

Portugal assumiu em 2023 o compromisso de ser o primeiro participante no fundo climático de Cabo Verde, com 12 milhões de euros.

O montante corresponde ao valor que seria entregue pelo Estado, como reembolso de capital, no âmbito do Contrato de Consolidação da Dívida de Cabo Verde a Portugal, celebrado em 01 de fevereiro de 2022.

No caso, a verba destina-se a projetos relacionados com o reforço de energias renováveis, para Cabo Verde se aproximar da meta estabelecida pelo Governo de 50% de produção até 2030.

A conversão de dívida em financiamento climático tem sido apontada como um exemplo a seguir por Portugal e pelo Governo cabo-verdiano em diversos fóruns internacionais.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest