Relatório mostra que mulheres africanas estão cada vez mais empreendedoras

O African Management Institute (AMI) acrescentou 123 milhões de euros às economias africanas, na última década, apoiou 37.000 empresas e gerou 97.000 empregos, anunciou a instituição num relatório divulgado hoje onde o destaque são as mulheres empreendedoras.

O relatório, intitulado “10 anos como campeão africano para campeões empresariais de África”, destaca o impacto dos programas de aprendizagem “particularmente significativo” para os jovens e para as mulheres.

Segundo os dados de 2023, as empresas detidas por mulheres representaram mais de metade das empresas apoiadas e 81% dos participantes foram jovens (idade igual ou inferior a 34 anos).

“Estamos particularmente orgulhosos do nosso trabalho com milhares de mulheres líderes empresariais talentosas em toda a África. Os nossos dados mais recentes mostram que as mulheres e os jovens ultrapassam a média em todas as principais métricas empresariais, incluindo o crescimento das receitas, a criação de emprego e o acesso ao financiamento”, disse Rebecca Harrison, CEO e cofundadora da AMI.

Dados do relatório indicam que 50% de todos os participantes e 51% dos participantes do programa de empreendedorismo em 2023 eram mulheres e que as empresas lideradas por mulheres criaram uma média de 1,4 empregos por ano, ultrapassando a média geral de um.

Tudo somado, os números revelam que as empresas lideradas por mulheres registaram um crescimento médio anual das receitas de 20%, ultrapassando a média global de 18%, e ascenderam a montantes de financiamento mais elevados (31.311 euros) em comparação com as empresas lideradas por homens (24.956 euros), enquanto as empresas colideradas ascenderam ainda a mais (42.537 euros).

No documento lê-se ainda que 26% dos empregos criados foram para mulheres.

Sobre as empresas lideradas por jovens, o relatório conclui que estas “registaram um crescimento anual das receitas de 24,62%, significativamente superior à média.

O African Management Institute, fundado em 2013 para resolver a falta de aprendizagem eficaz e escalável de negócios e gestão para empreendedores e equipas de negócios de África, revela ainda que “por cada dólar investido num programa AMI, as empresas geraram 44,64 euros em receitas, estimando-se que 25% desse valor tenha aumentado diretamente os rendimentos dos trabalhadores”.

Em 2023, as empresas dos programas do instituto registaram um crescimento médio anual das receitas de 18,69%.

As 50 empresas com melhor desempenho criaram uma média de 15,4 postos de trabalho cada em 2023 e aumentaram as suas receitas numa média de 169% num ano.

Com escritórios no Quénia, Nigéria, Ruanda, Senegal, África do Sul e Uganda, a empresa tem mais de 100 funcionários com presença em 10 países e trabalha em mais de 39 países africanos.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest