Santa Catarina: Ribeira da Barca com mais uma embarcação de pesca semi-industrial

A vila piscatória de Ribeira da Barca, no município de Santa Catarina, interior de Santiago, passa a contar com mais uma embarcação de pesca semi-industrial, uma iniciativa do armador Leny Martins.

O ato de lançamento da embarcação de 10 metros, de nome “Deus Seja Louvado” foi presidido pelo primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que destacou a criação de 12 postos de trabalho.

Conforme lembrou o sonho desde capitão de pesca, de 44 anos, tornou-se realidade graças ao financiamento do Ministério do Mar, através do Fundo Autónomo das Pescas e do ecossistema favorável existente em Cabo Verde.

Tendo em conta, que a embarcação foi construída por um produtor local comprometeu-se em criar condições para que a produção/construção seja feita de forma mais eficiente e eficaz.

Ainda para o sector marítimo, anunciou a reativação do equipamento de frio e produção de gelo na Unidade de Transformação e Agregação de Valor do Pescado (UTAV) com recurso às energias renováveis.

Na ocasião, o chefe do Governo presidiu, ainda, à apresentação da Cooperativa “Mulheres de Ribeira da Barca”, que considerou um “grande instrumento” que vai ajudar a resolver o problema da apanha de areia naquela comunidade que tem o sector da pesca como principal atividade económica.

Por isso, disse acreditar que a cooperativa com mais de 100 associadas é uma alternativa sustentável, por estar focado no sector de pesca e economia azul desde a pesca em si, à produção e comercialização do pescado.

O novo armador Leny Martins mostrou-se contente por estar a realizar um sonho de menino de ter um barco próprio para servir a comunidade, para reduzir o desemprego e dinamizar a economia local.

O também capitão de pesca notou que este sonho não foi adiado por mais tempo por causa do apoio do Governo, através do Fundo Autónomo das Pescas.

Já a presidente da Cooperativa “Mulheres de Ribeira da Barca”, Maria Furtado, enalteceu a criação dessa organização, que vai fazer de tudo para apoiar quer através de crédito, formação e qualificação para que mulheres daquela vila piscatória, hoje com problemas de saúde, nunca mais voltem a apanhar areia na Praia de Charco.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest