Santo Antão: cabeça-de-lista da UCID diz que a ilha precisa de infra-estruturas para sustentar o turismo

O cabeça-de-lista da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) pelo círculo eleitoral de Santo Antão, José Graça, considera que a ilha precisa de “outras infra-estruturas para sustentar” o sector do turismo, na região.

 

A título de exemplo, José Graça apontou a necessidade de Santo Antão dispor de uma infra-estrutura portuária com dimensão para potenciar o turismo de cruzeiros, sugerindo, por isso, o alargamento do porto do Porto Novo, “para passar a receber paquetes de turistas”, que desejem conhecer esta ilha.

“Para sustentar o turismo, Santo Antão precisa de outras infra-estruturas. Pensamos, por exemplo, no turismo de cruzeiros, mas, para isso, é preciso investir no cais do Porto Novo”, explicou o cabeça-de-lista da UCID, que defendeu a ampliação deste porto, para “permitir a atracagem de navios de cruzeiros”.

 

José Graça defendeu a necessidade de se “investir com seriedade” na segunda fase do referido porto, para permitir a atracagem de navios de cruzeiros, mas, também, de se pensar “num sistema de transporte intermodal”, envolvendo o transporte aéreo, marítimo e terrestre, que facilite a vida aos turistas.

 

Este candidato a deputado é da opinião de que o turismo, “bem pensado”, pode ser “uma grande fonte de rendimentos para as famílias” em Santo Antão, propondo a diversificação das ofertas turísticas, nesta ilha.

 

José Graça destacou o vale do Paul, que tem na agricultura a sua principal actividade económica, mas que apresenta ainda “elevadas potencialidades turísticas”, que devem ser melhor exploradas, apostando na promoção de outras modalidades, como o alpinismo.

 

Ainda na sua deslocação ao vale do Paul, José Graça disse ter constatado que “os poderes públicos não estão a trabalhar com seriedade” na resolução dos problemas dos santantonenses, apontando, como exemplo, o abandono de algumas infra-estruturas hidráulicas, construídas no âmbito do programa Millenium  Challange Account, nesse município.

 

“Isso é fruto dos sistemas políticos desequilibrados, em que as decisões são tomadas, muitas vezes, de forma impensada, já que não existe uma boa fiscalização para que as coisas andem no bom caminho”, sublinhou José Graça, insistido na necessidade a UCID reforçar a sua presença no Parlamento, para poder fiscalizar as acções governativas.      

 

Às legislativas do dia 18 para eleição de 72 deputados em 13 círculos eleitorais, dos quais dez no País e três na diáspora, concorrem seis partidos – PAICV, MpD, UCID, PTS, PSD e PP.

 

PAICV, MpD e UCID concorrem em todos os círculos, PP em seis círculos (Santiago Sul, Santiago Norte, Boa Vista e os três da diáspora), PTS também em seis círculos (São Vicente, Santiago Sul, Santiago Norte e três diáspora), e PSD em quatro círculos (Santiago Norte, Santiago Sul, América e África).

 

As últimas eleições legislativas em Cabo Verde ocorreram no dia 20 de Março de 2016, tendo o Movimento para a Democracia (MpD) vencido com maioria absoluta, ao eleger 40 deputados, o PAICV 29 e a UCID três.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest