São Vicente: Chefe do Estado-Maior pede “pulso firme” e “esforço acrescido” para incutir valores das FA

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (FA) considerou hoje que “algumas situações” que vieram recentemente a público exigem das FA “pulso firme” e “esforço acrescido” para incutir os valores castrenses em cada um dos seus integrantes.

Major-general Anildo Morais referia-se à divulgação recentemente, nas redes sociais, de vídeos sobre práticas alusivas a actos obscenos envolvendo militares num dos quartéis da ilha de Santiago, que não mencionou, quando, na manhã de hoje, discursava, no Mindelo, no acto de celebração do Dia da Unidade Manuel Monteiro, na 1ª Região Militar.


O chefe do Estado-Maior acrescentou que acções associadas devem ser concretizadas para que o respeito continue a imperar “em todos os escalões” das FA, “seja de inferior para superior e vice-versa, seja entre pares”.


“O código de conduta militar é algo precioso e que necessita ser preservado”, declarou a mesma fonte, porque, continuou, trata-se do “garante da confiança, do espírito de corpo e da organização”.


Ademais, continuou o major-general Anildo Morais, há na instituição uma “luta diária” para melhorar as condições de vida e de trabalho das FA, desde a metodologia de instrução, passando pelo reforço das acções pedagógicas, melhoria dos instrumentos de gestão e reforço da disciplina, entre outros


Daí, continuou, tratar-se de um trabalho que visa modernizar os métodos e garantir que “em nenhum momento” sejam ultrapassados limites e que, caso tal aconteça, possam existir os instrumentos para responsabilizar os prevaricadores.


Até porque, sintetizou, a carreira militar “deve ser atraente”, e aqueles que querem servir as FA o passam fazer “com dignidade”.


Num outro ponto da sua comunicação, o chefe do Estado-Maior das FA anunciou que o próximo desafio será o da melhoria da operacionalidade das unidades, para que possam cumprir o seu papel, “devidamente equipados e preparados” para intervir de imediato onde quer que sejam chamadas, mas que tal depende de condições financeiras e materiais.


Num elogio à Unidade, que hoje celebra o seu dia, o chefe do Estado-Maior da FA destacou o engajamento do efectivo do Comando da 1ª. Região Militar, ao longo dos anos, quer na sua missão tradicional, quer num conjunto de missões, “com competência e esmero”, entre eles apoio a autoridades na segurança pública e de eventos, em campanhas de vacinação, durante incêndios e inundações, e agora no combate à covid-19.


Daí ter atribuído hoje um louvor ao efectivo do Comando da 1ª Região Militar em reconhecimento do “intenso trabalho” efectuado ao longo da sua existência, ao mesmo tempo que exortou a todos os seus integrantes a continuarem na mesma senda, dignificando as FA, elevando o nome da Unidade, defendendo “com todas as forças” a Pátria e o povo do arquipélago.


“Tudo o que foi erigido é fruto de um passado trabalhoso, um presente resiliente e um futuro que se quer brilhante”, finalizou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, major-general Anildo Morais.


O programa em celebração ao Dia da Unidade Manuel Monteiro, na 1ª Região Militar, iniciou-se com a imposição de uma coroa de flores no memorial improvisado em frente ao edifício do comando e incluiu ainda demonstrações de karaté, esgrima e boxe, actuação de subunidades em tatu sobre controlo de tumulto e protecção de altas entidades e ainda inauguração da Sala de Praças.


Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest