Sindicato Cabo-verdiano dos Professores suspende greve

O Sindicato Cabo-verdiano dos Professores (Sindep) suspendeu a greve de sete dias que devia arrancar hoje, após chegar a acordo com o Governo sobre algumas reivindicações, anunciou o líder sindical, Jorge Cardoso.

“Há um entendimento possível, de momento, que não satisfaz o Sindep, mas entendemos suspender temporariamente a greve”, que poderá ainda vir a realizar-se “caso o Governo não cumpra com as obrigações acordadas”, referiu aos jornalistas, na terça-feira.

Segundo Jorge Cardoso, entre outras medidas, o Governo anunciou um reajuste salarial a partir de 01 de janeiro de 2025, elevando o índice de referência da carreira de professor com licenciatura para 91.000 escudos (825 euros) e, no caso da carreira sem licenciatura, aumentando-o para 55.000 escudos (499 euros).

A medida foi, entretanto, divulgada pelo Ministério da Educação nas redes sociais, informando que “representa um impacto orçamental significativo, acima de 900 mil contos (8,1 milhões de euros) por ano” e que nalguns aspetos vai além das reivindicações sindicais.

Na mesma mensagem, o Governo disse que está “prestes a concluir a regularização das pendências deixadas acumular desde 2008” e que tem contribuído para o aumento dos rendimentos dos professores, alguns dos quais beneficiarão de um aumento salarial efetivo superior a 90%.

Ainda nas negociações que permitiram suspender a greve, o Sindep indicou que houve acordo sobre algumas fórmulas de promoção da classe docente, mas continuam por resolver outros detalhes relativos a regalias e pendências.

Jorge Cardoso disse que espera assinar um memorando de entendimento com o Governo até final da semana.

Em novembro de 2023, os professores avançaram para uma greve de dois dias, tendo paralisado escolas do primeiro ao 12.º ano em quase todo o arquipélago.

Cabo Verde conta com cerca de 7.000 professores no ensino básico e secundário.

Lusa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest