Benvindo Neves, Aidé Carvalho e Daniel Almeida vencem Prémio Nacional de Jornalismo 2021

Os jornalistas Benvindo Neves (RCV), Aidé Carvalho (TCV) e Daniel Almeida (A Nação) são os vencedores da edição 2021 do Prémio Nacional de Jornalismo (PNJ), cujos resultados foram divulgados hoje pelo presidente do júri.

O jornalista Benvindo Neves, da Rádio de Cabo Verde (RCV), ganhou o título de vencedor da categoria “Rádio” com a reportagem radiofónica “Castigados, por fora de jogo“, que debruça-se sobre uma questão relevante, com impacto da covid-19 na vida dos jogadores, um género importante muito pouco explorado”.

Na mesma categoria, o júri decidiu atribuir menção honrosa a jornalista Ariana “Nani” Vaz, também da RCV com a reportagem “Saxofonista Totinho”, justificado pelo “sonoplastia e o valor testemunhal da reportagem”.

Na categoria Televisão, Aidé Carvalho foi considerada a vencedora com a reportagem “Um outro olhar”, no qual o júri destacou a abordagem positiva e humanista do tema – deficiência visual – completada pela carga informativa relevante.

Ainda neste mesmo grupo, a menção honrosa foi concedida pelo corpo do jurado à jornalista Filomena Alves Lima da TCV, com a reportagem “As dores da folia”, em que os júris “apreciaram a sensibilidade da jornalista por todo o processo da realização do Carnaval na cidade do Mindelo”.

Já na categoria Imprensa Escrita, o júri escolheu o trabalho de investigação do jornalista do Jornal A Nação, Daniel Almeida, com a reportagem “Contrato secreto com os Islandeses”, tendo justificado a escolha pelo trabalho investigativo “profundo sobre os negócios do Estado”.

A menção honrosa nesta categoria foi para a jornalista do também jornal A Nação, Gisela Coelho, com a reportagem “Resgate dos 100 anos da História do Foto Melo”, no qual foi apreciado pelo júri a abordagem de um elemento da história “em risco do desaparecimento, pouco conhecida da maioria da população cabo-verdiana”.

O júri decidiu ainda destacar em sinal de reconhecimento o trabalho dos jornalistas Syoni Barbosa, Cleunice Baessa e Catarina de Pina, todas da Televisão Independente de Cabo Verde – TIVER, pelo ciclo das reportagens sociais durante 2021.

O presidente do júri, Geremias Furtado, revelou em conferência de imprensa para a divulgação dos resultados que concorreram ao PNJ’2021 um total de 23 trabalhos, dos quais nove na categoria Televisão, três da Rádio e 11 da Imprensa Escrita, em média de duas candidaturas por cada concorrente.

Aos vencedores serão galardoados durante a Gala “Liberdade de Imprensa” que se realiza a 03 de Maio, na Assembleia Nacional, de forma a assinalar o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, oportunidade para “reconhecer os jornalistas mais experientes com mais de 30 anos de serviços pelo percurso e contributo em prol do jornalismo cabo-verdiano”.

Este reconhecimento, avançou Geremias Furtado, é extensivo a profissionais que também deram os seus contributos, nomeadamente motoristas, cameramen, nesta “Gala Beneficente” cujo valor da venda dos bilhetes a preços de 500 escudos será destinado a Waldir Alves, jornalista residente nos Estados Unidos, que passa por situações difíceis em termos de saúde.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us