Cabo Verde prevê chuvas acima da média para o ano 2024 com maior incidência em Sotavento

O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INMG) informou hoje, na Praia, que para este ano há uma previsão de chuvas acima da média para o período de Junho, Julho e Agosto, com maior incidência nas ilhas de Sotavento.

Estas informações foram avançadas pela administradora executiva do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica, Denise Pina, em conferência de imprensa para divulgar os resultados da previsão pluviométrica sazonal consensual para 2024, elaborada com a colaboração de técnicos de diversos países da África Sudanesa-Saheliana, durante o Fórum PRESASS 2024 realizado na Nigéria.

“Em termos de resultados para Cabo Verde, informamos que, para o período de Junho, Julho e Agosto, há uma maior probabilidade de ocorrência de chuvas dentro da normal climatológica, com maior incidência nas ilhas de Sotavento. Cabe ressaltar que, para este período, a normal climatológica é de cerca de 106,7 mm, o que corresponde a 106,7 litros por metro quadrado de terreno”, comunicou.

Denise Pina adiantou ainda que para o trimestre Julho, Agosto e Setembro, as probabilidades apontam para chuvas normais com tendência para acima da normal climatológica. Para este período, o valor da normal climatológica é de 244 mm, o que corresponde a 244 litros por metro quadrado de terreno.

Aquela responsável indicou ainda que existe uma “forte probabilidade” de que o início da estação seja precoce, em meados de Julho, e que o fim da estação seja tardio, em meados de Outubro”, indicou.

A administradora executiva do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica apontou que em relação à previsão de sequência de dias secos, há uma forte probabilidade de serem mais curtos do que o habitual no início da estação.

“Isso significa que, após o estabelecimento do início da estação, que acontece quando registamos chuvas superiores a 20 mm em um a três dias consecutivos, os dias sem chuva poderão ser em menor número do que o habitual. Existe ainda alguma incerteza quanto ao número de dias sem chuva no fim da estação”, explicou Denise de Pina.

De acordo com as previsões, existe, igualmente, uma “forte probabilidade” de ocorrência de ventos extremos na região do Atlântico, incluindo tempestades tropicais, chuvas intensas, ventos fortes e agitação marítima, que podem impactar todo o arquipélago de forma diferenciada.

Essas informações serão atualizadas mensalmente pelo INMG até o fim da estação das chuvas, segundo Denise de Pina.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest