Caso Eliane: Meandros do crime serão dados a conhecer no momento apropriado, diz PJ

A Polícia Judiciária, no Sal, tranquiliza a população dizendo que os meandros do crime que provocou a morte da pequena Eliane Pinto, de 13 anos, serão dados a conhecer no momento apropriado.

A comunicação foi feita hoje através de uma nota de imprensa da Polícia Judiciária a informar que o processo já se encontra em avançado estado de investigação.

Não obstante a “forte pressão social” para se conhecer os meandros do presente caso, a Polícia Judiciária disse que não poderá, nesta fase, avançar muito mais detalhes sobre a investigação, não só porque é o Ministério Público o titular do processo, como também para não comprometer algumas diligências que ainda se encontram em curso.

“O caso se encontra sob segredo de justiça. Não podendo sobre ele haver qualquer espécie de pronunciamento que possa pôr em causa a investigação, sob pena de cometimento de crime, cfr artigos 335.o do Código Penal e 110.o no 1, 113.o n.o 1 alínea a), 114.o no 2, a contrario, todos do Código de Processo Penal”, lê-se no documento.

A mesma fonte indicou, entretanto, que o “desfecho favorável” da investigação preliminar só foi possível “graças ao engajamento” do pessoal especializado de investigação criminal e de especialistas do Laboratório da Polícia Científica, destacados pela Direção Nacional da Polícia Judiciária, para apoiarem o Departamento da Investigação Criminal do Sal nas investigações, bem como a colaboração da Polícia Nacional, mais concretamente da Esquadra Policial de Santa Maria.

“A utilização de meios avançados de investigação criminal pelos técnicos acima referidos não deu quaisquer hipóteses ao suspeito, que, notificado para comparecer à Polícia Judiciária, as investigações levadas a cabo faziam impender sobre ele fortes suspeitas, acabou por se entregar”, revela o documento.

Tendo em conta a situação, a Polícia Judiciária tranquiliza a população do Sal e do País, reafirmando a sua “inteira e total disponibilidade” para dar combate aos crimes que a lei lhe confere competência para investigar, assegurando que tudo fará com vista ao cabal esclarecimento deste caso.

O jovem de 29 anos, suspeito da prática de um crime de homicídio, na sua forma agravada, em investigação, foi presente esta segunda-feira ao Tribunal da Comarca do Sal, para o primeiro interrogatório de arguido detido, tendo-lhe sido aplicado prisão preventiva como medida de coação pessoal.

Segundo a fonte da PJ a vítima, uma menor de 13 anos de idade, residente na localidade de Palha Verde, Santa Maria saiu de casa pela manhã do dia 09 do corrente, para assistir a uma aula na Escola Secundária local (CEMAM), o que não chegou a acontecer, tendo mais tarde sido encontrada morta na zona de Monte Leão.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest