Coordenadora diz que lidar com terceira idade é tarefa nobre e desafiadora

A coordenadora do lar de idosos da Câmara Municipal da Praia, Maria do Carmo Monteiro, considerou esta segunda-feira, 16, que lidar com terceira idade é tarefa nobre e desafiadora que exige muita paciência.

“O centro disponibiliza cuidados e assistência de qualidade, a todos os níveis, mas o maior desafio é estar preparado para saber lidar e perceber a situação de cada um dos nossos idosos que necessitam de atenção especial, e têm as suas especificidades próprias. Colocarmo-nos de espírito e mente no lugar daquele outro é uma tarefa desafiadora, que exige muita paciência, dedicação e, sobretudo, muito amor”, exteriorizou Maria do Carmo em entrevista à Inforpress.

Conta que este centro de emergência para a terceira idade assiste, diariamente, cerca de 125 idosos de diferentes comunidades do município, dos quais 15 são internos, residentes, outros 15 passam o dia e vão dormir em casa e os restantes são atendidos ao domicílio.

Todos eles beneficiam de alimentação, uma refeição quente diária completa, equilibrada, variada, onde diariamente são distribuídos pratos quentes a idosos de diferentes comunidades, cujo cardápio é orientado por um nutricionista, entre cuidados de saúde, assistência médica e medicamentosa.

As principais queixas dos internos, especialmente duas cadeirantes, têm a ver com problemas de tensão arterial e insónia, próprios da idade, porém controlados, manifestam também algum sentimento de solidão porque, conforme a mesma fonte, recebem “muito pouca” atenção ou visita dos filhos e familiares.

“Estamos preparados para lidar com a situação dos nossos idosos, sem suporte familiar ou vínculo rompido com os familiares. Cada um com a sua queixa, mas todos ouvidos, mimados e acarinhados. Trabalhamos com coração, dispensando-lhes muito amor e afeto”, exteriorizou, assinalando que a instituição trabalha com 17 funcionários, sendo duas cozinheiras, quatro ajudantes de serviços gerais, dois assistentes sociais, um condutor, quatro guardas e quatro cuidadores que trabalham por turno.

A lidar com um orçamento à volta de 400 contos, só para despesas básicas, o centro, segundo a responsável, consegue dar resposta à problemática dos idosos em situação de vulnerabilidade social, “fazendo de tudo” para assistir, acompanhar e suprir as necessidades dos que vivem naquele lar de acolhimento.

“Estamos no bom caminho, a pouco e pouco vamos melhorando as condições e a qualidade dos serviços, a todos os níveis, e dá-nos satisfação ver a alegria dos nossos idosos aqui no centro. Levamos também cuidados ao domicílio, particularmente aos acamados”, acrescentou.

Analisando que ao longo da vida todos têm momentos bons e menos bons, Maria do Carmo disse que essas situações acabam por refletir, mais tarde, na existência das pessoas, principalmente nas pessoas idosas, daí que o desafio maior, reiterou, é estar preparados para lidar e perceber a perturbação de cada um.

“Para que possamos oferecer toda a segurança e conforto aos nossos idosos nessa fase de vida, devemos também estar cientes nos seus comportamentos, principalmente associado à velhice. Para acompanhar e escutar os idosos temos de estar cientes para podermos perceber e saber lidar bem com cada caso”, apontou, agradecendo a todos os parceiros que colaboram com o centro permitindo cada vez mais o bem-estar dos idosos.

Maria do Carmo concluiu assegurando que os idosos do centro se sentem confortavelmente bem acolhidos, em casa e em família, e desafia a população da Praia a fazer uma visita surpresa a qualquer hora do dia, mesmo depois do horário laboral e fins-de-semana.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest