Época Balnear: Polícia Marítima chama atenção para comportamentos que podem pôr em risco vida de banhistas

O comandante da Secção da Polícia Marítima da Praia, Faustino Moreno, chamou hoje atenção dos banhistas para alguns comportamentos de risco, tendo em conta o aumento de pedidos de intervenção, nesta época de grande procura das praias.

Por se tratar de uma época alta, de grande procura balnear, em que as praias de mar constituem atrativos, tanto para os estudantes e profissionais em férias, como para turistas, Faustino Moreno, disse à Inforpress, que o mar é tem sido procurado para diversos outros fins, nomeadamente terapêuticos.

“Evidentemente, temos recebidos muitas chamadas, porque, por estarmos num período de chuvas, pode haver alterações de condições meteorológicas com frequência, então, sempre que há esta tendência, há também a agitação da maré que proporciona maior formulação de ondas e fomenta algumas questões de segurança dos banhistas”, explicou.

Segundo apontou, muitos banhistas frequentam as tais zonas de perigo, em lugares inapropriados e não aconselhados, o que leva a frequentes chamadas da polícia marítima para fazer o exercício de intervenção de reposição da ordem, da legalidade e garantir a segurança.

Entretanto, informou que a Polícia Marítima, em conjunto com os nadadores-salvadores têm estado a chamar a atenção para que as pessoas nadem nos lugares seguros, para que haja comportamentos mais defensivos do ponto de vista de segurança das pessoas.

“Pode acontecer afogamento ou mal estar no mar que acabam por ceifar vidas no mar”, indicou este responsável, que aproveitou para chamar a atenção para os comportamentos dos banhistas, que nestas situações muitas vezes acabam por entrar em situações indesejáveis.

Porque segundo disse, o mar é um ambiente adverso, daí que o não acautelamento pode representar riscos, mais pelos comportamentos individuais de pessoas que ocorrem em situação anómala, como por exemplo, o estado de embriaguez ou por confiança dos banhistas, no caso dos que sabem nadar.

“Porque as autoridades só impõem aos banhistas quando ocorrem situações meteorológicas desfavoráveis, uma vez que se está perante uma época de mar revoltoso, típico desta época”, assegurou.

Deste modo, deixou um conselho no sentido de os banhistas colaborarem, não frequentando áreas de risco ou zonas de perigo e colaborarem com aquilo que são as advertências das autoridades, tanto policial como de nadadores-salvadores enquanto co-adjuvantes na assistência dos banhistas e na segurança aquática.

Apelou também aos que vão acompanhados de crianças ou menores que estejam cientes e que não os percam de vista.
Recorde-se que só nesta semana dois jovens da cidade da Praia, um de 24 e outro de 38 anos perderam suas vidas no mar de Quebra Canela, tendo as autoridades, na ocasião pedido mais atenção e respeito às orientações dos nadadores-salvadores.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us