Fogo: Afosol distribui carne a mais de 600 famílias no quadro do programa de “salvamento de gado e apoios aos criadores”

A Associação Fogo Solidário, Afosol, procedeu durante a quadra festiva a aquisição e abate de animais (vacas) e distribuição de carne às famílias mais vulneráveis.

Com a aquisição e abate de aproximadamente duas dezenas de vacas aos criadores das zonas mais atingidas pela seca e distribuição de carnes, quer aos criadores, os vendedores beneficiaram assim mais de 600 famílias com maiores dificuldades dos bairros da cidade e das zonas centro e sul, cobrindo parte dos municípios de São Filipe e Santa Catarina, mais atingidas pela seca e mau ano agrícola.

A compra de animais para abate e distribuição de carne às famílias é um dos quatro pilares do programa mínimo de urgência para o salvamento de gado que a Afosol lançou em meados de Novembro de 2021, visando mobilizar cerca de cinco mil e 400 contos.

Este projecto, desenvolvido no no quadro do programa “salvamento de gado e apoio aos criadores de animais”, segundo responsáveis da Afosol, tem a ver simultaneamente com apoio aos criadores de animais com dificuldades evidentes de salvar todas as cabeças de gado, intervenção na segurança alimentar, beneficiando centenas de famílias mais carenciadas, promoção da cultura de interajuda com envolvimento comunitário de forma voluntária.

O programa para apoiar os criadores a salvarem os seus animais durante dois meses, e que foi financiado pela Embaixada da Alemanha em Cabo Verde no valor de 50 mil euros, 5.400 contos cabo-verdianos, contempla ainda recolha e distribuição de mais de 5.500 molhos de pastos aos criadores e aquisição de rações e milho para distribuição aos criadores.

Estes eixos serão executados a partir desta semana, já que a associação, segundo o presidente do conselho directivo do Afosol, Eugénio Veiga, realizou um encontro com os criadores de gado para definir as estratégias da sua implementação.

A realização da campanha de mobilização de recursos é para apoiar os criadores, sobretudo das zonas centro e sul da ilha, cobrindo parte dos municípios de São Filipe e Santa Catarina, onde se concentra o maior número de efectivo pecuário e onde o impacto da seca e do mau ano agrícola foi mais severo, tendo em conta que mais de dois terços da ilha não tem produção agrícola e pastos, mesmo nas localidades consideradas húmidas.

Para os responsáveis da Afosol e para os próprios criadores o impacto da seca severa na sobrevivência de animais é um cenário visível e se não forem apoiados correm o risco de perder os seus efectivos pecuários, já que há registo, neste momento, de número crescente de mortes de animais, assim como tentativas, sem sucesso, de venda aos desbaratos dos animais.

Com os recursos já mobilizados, a associação pretende fazer a recolha, nas zonas húmidas (Campanas, Mosteiros) e distribuição de pastos aos criadores de animais, aquisição e distribuição de rações e de milho aos criadores.

Assim, na primeira quinzena de Janeiro, explicou o presidente do conselho directivo da associação, a prioridade vai para recolha, transporte e distribuição de pastos, e, até final do mês, a aquisição e distribuição de milho e rações para criadores, sendo que já foram identificados locais de recolha de pastos.

“É provável que o impacto do acto da solidariedade do povo alemão seja superior aos objectivos fixados e um grande alívio e esperança para grande parte dos foguenses”, referiu o responsável da Afosol.

Além disso, os responsáveis da associação consideram que “o cenário actual não se coaduna com qualquer morosidade e que medidas oportunas e imediatas devem ser tomadas”, sublinhando que “a situação é ainda mais grave pelo facto de inexistência de reservas de anos anteriores, também com produção deficitária”.

InforpressT

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest