Fundação Benfica e EUCED vão apoiar Cruz Vermelha de Cabo Verde na mobilização de apoios

A Fundação Benfica e a Instituição Europeia de Cooperação Económica e Desenvolvimento (EUCED) vão ajudar a Cruz Vermelha de Cabo Verde (CVCV) na mobilização de recursos para apoiar as pessoas mais vulneráveis neste período de crise.

A informação foi avançada esta terça-feira, 19, pelo presidente da CVCV, Arlindo de Carvalho, durante a cerimónia de apresentação, na cidade da Praia, operação DREF (sigla inglesa do Fundo de Emergência de Respostas às Catástrofes) para acudir as pessoas em risco de segurança alimentar e nutricional em Cabo Verde.

Arlindo de Carvalho adiantou que, tendo em conta a realidade do país, para além dessa da operação DREF que foi financiada pela Federação Internacional das Sociedade da Cruz Vermelha do Crescente Vermelho, a CVCV começou a desenvolver uma campanha de sensibilização dos parceiros, tendo já recebido algum “sinal positivo” de parceiros nacionais e internacionais.

“Muito recentemente, estive em Portugal durante o qual trabalhamos com os parceiros. Podemos já contar com a Fundação Benfica, que vai lançar uma grande operação de ajuda a Cabo Verde. Podemos também contar com a EUCED, um agrupamento europeu que trabalha com União Europeia, que também vai desenvolver uma campanha muito forte”, anunciou.

Arlindo de Carvalho informou ainda que recebeu, igualmente, a notícia de que o Governo de Canadá já aprovou mais um projeto para a Cruz Vermelha de Cabo Verde, estando ainda em conversação com outros parceiros e outros países “muitos fortes”, como é o caso do Estados de Unidos da América, no sentido de mobilizar mais recursos para apoiar os esforços do país no combate à crise.

“Há sinais muito fortes de que a CVCV vai servir de uma plataforma de ajuda às pessoas neste momento muito difícil”, salientou.

Hoje, a CVCV lançou a operação DREF, que através do programa de transferência monetária, vai responder às necessidades imediatas da população afetada pelas várias crises atuais e reduzir a sua vulnerabilidade na sequência de previsões de grave insegurança alimentar e subnutrição nos próximos meses em Cabo Verde.

O programa prevê beneficiar um total de 400 famílias dos municípios do Porto Novo, São Domingos, Santa Cruz e Ribeira Grande de Santiago, com assistência alimentar através da transferência monetária incondicional, no montante de 12.350 escudos, durante os três meses, totalizando 37.050 escudos.

Esse montante, segundo Arlindo de Carvalho, foi calculado com base nos custos de cesto de alimentos básicos como arroz, milho, leguminosas, açúcar e óleo, que garante a ração mínima de 2.100 calorias por pessoa por dia.

O programa prevê, igualmente, apoios monetários aos agricultores e criadores de gado no montante de 8.000 escudos para aquisição de sementes, fertilizantes, alimentos e cuidados veterinários para os animais.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Deixe um comentário

Follow Us