Idoso é uma biblioteca humana e construtor da sociedade que deve ser amado e valorizado, diz Teresa Mascarenhas 

A presidente da Fundação SimaJúlia defendeu que a problemática da violência contra idosos exige um “forte engajamento” de todos, afirmando que eles são uma biblioteca humana e construtores da sociedade cabo-verdiana que merecem ser amados e valorizados.

Teresa Mascarenhas fez esta afirmações em entrevista à Inforpress, a propósito do Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa, assinalado a 15 de Junho, tendo considerado ser “importante” que a sociedade civil se una na promoção de uma reflexão sobre a importância do cuidado e proteção e luta contra a discriminação etária.

“Temos deixado o cuidado para com os idosos para depois com justificativas da falta de tempo, mas é preciso questionarmos, tentar saber como é que é o dia-a-dia dos idosos, as suas dificuldades e necessidades. Precisamos reconhecer tudo que fizeram por nós e hoje temos que fazer tudo por eles”, declarou, salientando que é preciso que a sociedade resgate os valores e princípios.

Segundo esta responsável, a situação dos idosos é considerada muitas vezes como “complicada”, isto porque, justificou, o foco tem sido colocado na maioria das vezes nas crianças que simbolizam o futuro de uma sociedade e os idosos que são construtores da sociedade não têm merecido a devida atenção por parte da sociedade.

“Muitos ficam isolados e são excluídos do convívio social, sofrem vários tipos de violência, que nem os idosos têm a consciência que estão sendo vítimas, não têm vez e voz para reclamar ou se fazem reclamação não são ouvidos, e nem o próprio violador tem a consciência que cometeu a violação”, asseverou.

Para Teresa Mascarenhas, é chegado o momento de a sociedade cabo-verdiana reconhecer e valorizar todo o contributo que deram no processo de desenvolvimento de Cabo Verde e dando-lhes mais amor e atenção para que tenham uma velhice mais digna.

Defendeu, neste sentido, que a problemática da violência contra idosos exige um forte engajamento de todos para verdadeiramente mudar este cenário, tendo referido que a situação “piorou muito” com a pandemia da covid-19 devido ao isolamento social.

“O primeiro trabalho tem de ser feito na família, muitas vezes a família abandona, os filhos não cuidam, os netos não dão o mínimo que é o carinho, amor”, declarou, ressaltando que todos devem fazer a sua parte proporcionando-lhes momentos felizes porque o tempo de vida que lhes resta é menor comparativamente ao tempo vivido.

Apontou, por outro lado, a necessidade de a nível municipal se trabalhar na criação de uma comissão municipal que coloca os idosos no centro e de a nível central criar políticas públicas assertivas de cuidados nas várias vertentes na promoção de uma velhice mais digna e salvaguarda dos seus direitos

Destacou ainda os ganhos que Cabo Verde registou com o passar dos anos com a implementação de programas de cuidados, mas, alertou que as respostas ainda são insuficientes, e que é preciso reforçar as medidas e políticas concretas para que Cabo Verde seja um país amigo dos idosos.

Este ano para assinalar a efeméride, a Fundação SimaJúlia em parceria com a Presidência da República promove hoje uma jornada de reflexão sobre a problemática da Violência contra Pessoa Idosa, intitulada “II Jornada de reflexão, reconhecimentos e direitos”.

De acordo com Teresa Mascarenhas, pretendem com esta iniciativa promover momentos de reflexão sobre os fenómenos que vêm transformando os idosos em seres invisíveis, destituídos de seus direitos, liberdade e dignidade.

“Acreditamos que a consciencialização é o primeiro passo para a mudança, pois esta é uma questão social global que afeta a saúde e os direitos humanos de milhões de idosos em todo o mundo e que merece a melhor atenção da comunidade internacional”, concluiu.

O Dia da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa comemora-se a 15 de Junho e foi instituído em 2006 pela Rede Internacional para a Prevenção do Abuso à Pessoa Idosa (“The International Network for the Prevention of Elder Abuse”).

Este dia foi estabelecido com o objetivo de proporcionar a reflexão sobre uma questão social sensível. O envelhecimento da população nos países desenvolvidos, proporciona o aumento dos maus-tratos físicos e psicológicos e o seu esquecimento, tanto pelas famílias como pelos serviços de acolhimento.

A ONU relembra que a discriminação etária é uma grave violação dos Direitos Humanos, reconhecendo este dia através da Resolução 66/127 da Assembleia Geral da ONU em 11 de Dezembro de 2011.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest