INE forma 117 agentes para IMC 2024 que tem como novidade a introdução do módulo Ambiente e Mudanças Climáticas

Agentes de terreno na Praia e em São Vicente, em número de 117, iniciaram hoje uma formação com vista a realização do Inquérito Multi-Objetivo-Contínuo (IMC) 2024, que tem como novidade a introdução do módulo Ambiente e Mudanças Climáticas.

Em declarações à Inforpress, a mesma fonte disse que já lá vão dez meses de trabalho, tempo estipulado para a conclusão da obra de reabilitação da estrada de Fontainhas, mas até então “já reabilitaram 500 metros”.

“Já agora, gostaria de saber se os 500 metros são para beneficiar os moradores de Fontainha ou da zona emergente de Quilombo”, questionou.

Em declarações à imprensa, no âmbito do ato de abertura da formação, na cidade da Praia, o vice-presidente do Instituto Nacional de Estatísticas (INE), Fernando Rocha, avançou que a formação decorre até o dia 18, na Praia e em São Vicente.

“Vamos formar 117 agentes de terreno entre efetivos e suplentes, ou seja, 86 efetivos e 31 suplentes, e a recolha de dados acontece a partir do dia 21 de Maio até 30 de Junho”, explicou, adiantando que este ano o IMC terá duas emissões e o segundo inquérito será feito nos finais do ano.

Para o responsável, a “grande vantagem” de se ter dados sobre o mercado de trabalho de forma infra-anual, em períodos diferentes, é que a comparabilidade desses dados será diferente, e, por isso, assegurou, haverá “maior consistência e mais qualidade” daquilo que são os dados sobre o mercado de trabalho no país.

O inquérito, disse Fernando Rocha, será realizado junto dos 9.918 agregados familiares, sendo que a maior novidade se relaciona com as alterações climáticas.

“Um tema da atualidade, em que Cabo Verde não pode estar distante do resto dos países a nível mundial, e associado aquilo que é um pedido da cooperação Luxemburguesa”, explicou, lembrando que se está perante um dos inquéritos mais importantes realizados pelo sistema estatístico do país, porque consegue dar várias respostas numa única operação estatística.

Pois, acrescentou, o IMC inclui seis módulos, sendo que o “grande objetivo” é o mercado de trabalho, por fornecer dados sobre o emprego, o desemprego, o desemprego jovem, aguardados por todos, além de retratar ainda dados sobre a educação, outras formas de trabalho e a questão das alterações climáticas e energia.

A questão das tecnologias de informação e comunicação e também o módulo que faz a caracterização daquilo que é a situação demográfica da população cabo-verdiana estão também incluídos noe inquérito cuja operação vai custar cerca de 21 mil contos, financiados pelo Banco Mundial e pela Cooperação Luxemburguesa.

A sessão de abertura da formação foi co-presidida pelo vice-presidente do INE, Fernando Rocha, e pela segunda secretária da Embaixada de Luxemburgo, Michéle Schmit.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest