Porto Novo: Edil considera que lei do álcool trouxe “ganhos efectivos” na forma de encarar esta problemática

A lei do álcool, em vigor há dois anos, trouxe “ganhos efectivos” sobretudo na forma de encarar esta problemática, conforme o edil do Porto Novo, para quem ainda o diploma implica a responsabilidade para travar este mal social.

Anibal Fonseca, a propósito das comemorações do segundo aniversário da lei do álcool, considera que esta lei tem “uma missão muito abrangente” e implica o “comprometimento” das autoridades para travar este mal, que “muitas vezes resulta na perda da auto-estima e na perda de vida” como consequência do alcoolismo.

Da parte da Câmara Municipal do Porto Novo, este autarca garante que tem “abraçado, desde o início, a campanha “Menos álcool, mais vida”, uma iniciativa do Presidente da República, que tem permitido a implementação de “acções assertivas” para minimizar o efeito do álcool na sociedade cabo-verdiana. 

A evolução histórica do consumo do álcool em Santo Antão, onde o alcoolismo representa “um problema de saúde pública”, foi um dos assuntos debatidos, terça-feira, num encontro promovido pela edilidade porto-novense, em parceria com a Comissão de Coordenação do Álcool e outras Drogas, que contou com a participação de diversas instituições locais, segundo as quais está-se perante “um problema de urgência”.

Por isso, segundo os participantes, é necessária a “união de todos” para combater o consumo exagerado do álcool em Santo Antão, que está “intimamente ligado ao estilo de vida do homem santantonense”.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest