REPAL abastece mais de mais de nove mil alunos de São Vicente e Santo Antão com produtos frescos

O coordenador do Centro de Estudos Rurais e Agricultura Internacional disse hoje que a Rede de Abastecimento Local de Cantinas Escolares já abastece mais de nove mil alunos das ilhas de São Vicente e de Santo Antão.

Adriano Palma falava à imprensa à margem da Semana da Alimentação Adequada, organizada, na Escola Salesiana, pela Associação Amigos da Natureza (AAN), o Centro de Estudos Rurais e Agricultura Internacional (CERAI) e Secretariado Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional de Cabo Verde para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, que se assinala a 16 de Outubro.

Segundo o coordenador do CERAI, este é um dos resultados do projecto “Do campo à escola”, que está a ser implementado desde o mês de Março, e que mostra o crescimento de um projecto iniciado há dez anos em São Vicente com as hortos escolares da Ribeira do Calhau e do Madeiral.

Conforme Adriano Palma, as hortas escolares desenvolveram-se e expandiram-se com a criação de alianças nas ilhas do Fogo, Santo Antão e São Vicente possibilitando o abastecimento de cantinas para a alimentação escolar nessas ilhas.

“A Repal já abastece todas as escolas do ensino básico. Trata-se de um mercado de mais de nove mil alunos desta ilha, mas também de Santo Antão. Já estamos em uma dimensão regional de mobilização de produtos. Esta é uma trajectória que começou desde simples hortos escolares que avançou para uma dimensão de economia local, de mobilização de produtos, logística, transporte por mar e camiões, que passa ainda por unidades de processamento e conservação no frio”, explicou o responsável.

No caso da ilha do Fogo, o coordenador do CERAI avançou que mais de 60 famílias rurais entregam, a cada três meses, toneladas de milho cochido para fazer cachupa nas escolas.

“Estamos a falar de 44 mil alunos que comem graças à aliança”, adiantou a mesma fonte, que sublinhou que desde o início, o projecto envolveu a aprendizagem dos agricultores e da escola em que se formava os agricultores e comprava-se a matéria-prima para as cantinas escolares.

Na segunda fase, acrescentou, fizeram contratos com a Fundação Cabo-verdiana de Acção Social e Escolar (Ficase), através da dotação orçamental do programa alimentar escolar e   a terceira fase que vai arrancar em Janeiro próximo, vai envolver a colaboração dos pais, através do contributo anual que dão às cantinas escolares.

“Neste momento, estamos a preparar, junto com a delegação do Ministério da Educação de São Vicente, para iniciar o abastecimento das cantinas das escolas da ilha com fundos exclusivos. É algo significativo porque mostra como a política pública pode dar um passo em frente com participação também dos pais”, afirmou.

Por sua vez, a delegada do Ministério da Educação em São Vicente explicou que o projecto tem como objectivo adquirir produtos verdes e frescos nos produtores locais para incentivar também o consumo local e a economia local.

Maria Helena Andrade disse que são produtos verdes como batatas, cenouras e bananas, entre outros, que são lavados e tratados e enviados às cantinas escolares, porque, lembrou, uma alimentação equilibrada também reflecte no aproveitamento escolar.

“A Educação aparece neste projecto porque temos cantinas escolares que oferecem refeições quentes aos alunos. É uma forma de reforçar a ementa para que possamos também dar uma maior resposta às nossas crianças nas escolas em termos de uma boa alimentação”, disse ainda delegada, para quem através deste projecto também se promove a economia local nessas comunidades.

No quadro da Semana de Alimentação Adequada – Do Direito à Política, do Consumo à Produção Sustentável, foi feito a entrega de cerca de duas toneladas de produtos oriundos da Ribeira da Torre e de Janela, em Santo Antão, e das de Ribeira de Vinha e Calhau, em São Vicente, para as cantinas.

Até o dia 23, estão programadas ainda a apresentação da Colecção Cadernos de Agroecologia, uma exposição fotográfica e tertúlias, um   simpósio sobre “Sistemas Alimentares Sustentáveis”, a exibição da peça grupo MorabezaTeatro e o lançamento do concurso de ideias para curtas-metragens “Bodji”.

 

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest