Soluções que permitem baixar custos com energia apresentadas pelos expositores na  Feira Internacional de Energias Renováveis

Instituições do Estado, universidades e empresas privadas em ramos distintos além do setor de energias renováveis também marcaram presença no segundo dia da Feira Internacional de Energias Renováveis que decorre na Praia.

No segundo dia da 5.ª edição da Feira de Energias Renováveis, que aconteceu nesta sexta-feira, 7 de junho, nas instalações da FIC, na cidade da Praia, dezenas de expositores marcaram presença no evento. Em entrevista ao Balai, alguns  dos  presentes partilharam as ideias e soluções que levaram para a edição deste ano.

Freedwilson Gomes, técnico da Cabo Power, empresa no ramo das energias renováveis e eficiência energética, cito na cidade da Praia e que já conta com dois anos no mercado, contou que esta segunda participação da empresa na feira justifica-se em prestar apoio a quem precisa investir em energias renováveis e baixar as faturas eletrónicas.

“No ano passado viemos com o propósito de angariar mais clientes e conseguimos, este ano, como consequência do ano anterior, mantivemos a oferta de soluções no baixo faturamento eletrónico, uma vez que os nossos clientes antes pagavam 15 mil escudos em taxas de eletricidade e agora pagam apenas 500 escudos por instalarem os nossos sistemas fotovoltaicos”, esclareceu o técnico que apresentou tomadas e interruptores inteligentes de controle de energia através de smartphones, levado pela empresa à feira.

Por outro lado, Lenira Fernandes, manager da Sunrise Energias Renováveis, empresa mindelense especializada em soluções de energias  fotovoltaicas e eólicas, com um ano no mercado, explicou que esta primeira participação da empresa na feira consiste em apresentar as ofertas de serviços e sistemas fotovoltaicos no que tange ao monitoramento independente dos painéis por parte dos clientes.

“Nós queremos trabalhar com a população, queremos dar a todos mais poder financeiro sobre os custos fixos de eletricidade que não temos como escapar, por isso trazemos aqui os nossos dispositivos onde os clientes podem fazer o controle dos gastos e trabalhar na redução e sustentabilidade”, destacou.

Edmir Correia, técnico comercial da LoboSolar, uma empresa com 14 anos no mercado e que faz o fornecimento e instalação de sistema solar fotovoltaico com cobertura nacional, falou que uma das razões que levaram a empresa à feira deve-se à apresentação dos inversores com foco também no autodomínio dos clientes sobre o controlo energético e consequentemente na baixa taxa da fatura elétrica.

Ao balançar a participação na feira, o técnico lançou uma observação sobre a fraca adesão do público ao evento.

“Penso que por ser algo realizado no meio da semana isso pode ter influenciado a participação do público. Mas acredito que a divulgação da feira poderia ter sido mais forte”, comentou.

Por outro lado, na secção dos carros, o grupo Go, apresentou na feira um dos modelos clássicos de viaturas, como o Ford dos anos 30, com um toque de modernidade ao aliar-se à política de transição eletrónica através de sistemas de abastecimento elétrico.

“Estas viaturas têm uma autonomia de 150 à 200 km e carrega de zero aos duzentos quilómetros numas cinco horas. Os modelos estão exclusivamente ao uso turístico e  podem ser alugados para um passeio pré-definido para as ruas da cidade”, explicou Rui Teixeira, o responsável pelo grupo português.

A  5.ª edição da Feira de Energias Renováveis arrancou no dia 6 de junho e termina hoje, 8. Trata-se de uma iniciativa promovida pelo governo, através do Ministério da Indústria, Comércio e Energia e do Ministério das Finanças e do Fomento Empresarial.

Sob o lema “Construindo um futuro sustentável”, a feira conta com exposições de produtos e serviços, e, de forma paralela acontece um fórum temático a acerca da transição energética que conta com oradores nacionais e internacionais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest