Suíços da Holcim – PRB vencem em Cabo Verde primeira etapa da Ocean Race e são recebidos com chuva de palmas

A equipa suíça Holcim – PRB (IMOCA 60) venceu hoje a primeira etapa da Ocean Race, cruzando a meta no Mindelo, Cabo Verde, às 01:02 locais , com centenas de mindelenses à espera.

Trata-se da primeira vez que a maior e mais antiga regata do mundo faz escala em Cabo Verde, com a equipa suíça a completar a primeira etapa, de 1.900 milhas náuticas (3.520 quilómetros), de Alicante, Espanha, até à entrada da Baía do Mindelo, em cinco dias, 11 horas, um minuto e 59 segundos.

Esta 14.ª edição da Ocean Race partiu em 15 de janeiro rumo a Cabo Verde e a segunda etapa, entre o Mindelo e a Cidade do Cabo, África do Sul, tem início em 25 de janeiro, depois da paragem de cinco dias na ilha de São Vicente, para descanso das tripulações e arranjos dos barcos.

As próximas embarcações em prova, entre as duas classes em competição, são esperadas no Mindelo entre a madrugada e o final da manhã de sábado.

Entre aqueles que aguardavam a chegada do veleiro encontrava-se o ministro do Mar, Abraão Vicente, que classificou à Inforpress o momento de “alto”, já que Mindelo volta a receber “um grande evento” de cariz mundial.

“Sem dúvida, a Fórmula 1 do desporto de vela, e chega ao Mindelo hoje aquilo que queremos que seja o início de uma nova largada da centralidade de São Vicente dentro daquilo que é a sua posição geoestratégica para o mundo”, declarou à Inforpress o também ministro da Cultura e das Industrias Criativas, momentos após a chegada do veleiro suíço Holcim PRB.

A pretensão do Governo, di-lo o ministro, é devolver aquilo que Mindelo representou na era do carvão e na era do relançamento da construção da cidade.

“E é maravilhoso perceber que o povo de São Vicente compreendeu o significado daquilo que pretendemos com uma etapa do Ocean Race na ilha e está aqui, apesar de hora muito tardia, de muita gente ter ido para casa, mas temos uma moldura humana extraordinária, o que dá para ver que esta é uma aposta ganha”, sintetizou Abraão Vicente.

A celebrar os 50 anos desde o nascimento em 1973, a Ocean Race mudou este ano de formato e colocará duas classes em competição na mais difícil prova de circum-navegação à vela por equipas.

As embarcações da classe IMOCA 60 vão dar a volta ao mundo, cumprindo sete ‘legs’, enquanto as da classe VO65 vão fazer três etapas, a primeira entre Alicante e o Mindelo, em Cabo Verde, a penúltima que ligará Aarhaus (Dinamarca) a Haia (Países Baixos) e a última entre Haia e Génova (Itália).

A regata à volta do mundo é disputada pelas equipas 11th Hour Racing Team, Guyot environnement – Team Europe, Team Holcim – PRB, Team Malizia e o Biotherm, todas da classe IMOCA 60.

Já a classe V065 conta com a tripulação portuguesa na Mirpuri Foundation Racing Team, liderada pelo ‘skipper’ António Fontes e constituída por Bernardo Freitas, Frederico Melo, Mariana Lobato, estes três membros da tripulação vencedora da Ocean Race Europe em 2021, Diogo Cayolla, Hugo Rocha, Matilde Pinho de Melo, Francisco Cai-Água, Francisco Maia e Francisca Pinho.

Além do VO65 Racing for the Planet da Mirpuri Foundation Racing Team, embarcação que venceu a última edição da então Volvo Ocean Race 2017/18 ao serviço da Dongfeng Race Team, participam na Ocean Race Sprint Cup a Team JAJO, Viva México, Ambersail 2, WindWhisper Racing Team e a Austrian Ocean Racing powered by Team Génova.

Para a paragem da competição no Mindelo, o Governo cabo-verdiano instalou a Ocean Race Village junto ao porto, incluindo instalações para atracagem e acolhimento da prova, contando com concertos e outras atividades diárias de 20 a 25 de janeiro, enquanto se espera na ilha sete mil visitantes.

C/ Lusa e Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest