UCID diz que Governo “não está a fazer nenhum favor à população” ao subsidiar o trigo

A UCID (oposição) considerou ontem, dia 24, que ao subsidiar a importação do trigo ou outros bens o Governo “não está a fazer nenhum favor à população”, uma vez que é eleito para gerir os impostos dos cabo-verdianos.

Esta posição foi hoje manifestada em conferência de imprensa pelo presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática, João Santos Luís, na antevisão do debate parlamentar com o primeiro-ministro, que arranca esta quarta-feira, sobre “A inflação e o seu impacto na vida dos cabo-verdianos”, tema proposto pela UCID.

Segundo este deputado, o Governo deve fazer a gestão dos impostos pagos pelos contribuintes cabo-verdianos “com rigor e perícia” que se espera, mas realçou, entretanto, que, ao invés de gerir os recursos dos cidadãos da melhor forma, o executivo “define outras prioridades que não aquelas para apoiar a população no momento que muito precisa”.

“Consideramos que, a inflação vem ocasionando o encarecimento de produtos e consequentemente a redução do poder de compra da população, tornando mais difícil a vida dos cabo-verdianos, ampliando as desigualdades, por um lado e, por outro, pode provocar a queda nos investimentos estrangeiros e nacionais”, disse.

João Santos Luís disse ainda que a inflação, quando controlada, é sinal de que a economia está aquecida e crescendo de forma saudável, mas que quando a mesma foge ao controle do Governo, ela torna-se ruim para própria economia do país.

“Entendemos que numa economia de mercado como a de Cabo Verde, os preços de produtos são regulados pelo próprio mercado, mas é de salutar que existem mecanismos de controlo que devem ser levados à prática para evitar especulações com prática de preços de forma descontrolada, criando dificuldades diversas aos consumidores de uma forma geral”, acrescentou.

Para a UCID, a taxa de inflação situada à volta dos 8% neste momento é considerada “fora do comum”, pelo que entende que o Governo deve procurar introduzir medidas para facilitar um pouco a vida dos cidadãos, “para que as coisas não piorem ainda mais”.

“Importa salientar que com a decisão do Governo em retirar o subsídio do trigo, não só a vida dos cidadãos pode complicar ainda mais, como também das padarias espalhadas por todos os cantos do país e, consequentemente, a economia que envolve a indústria de panificação e pastelarias”, ressaltou.

Ainda relativamente ao preço do pão, João Santos Luís denunciou que neste momento cada padaria “vende o preço que bem entender”, sem que haja alguma instituição para tomar medidas neste aspecto, mesmo relativamente ao peso normal do pão.

“A UCID considera que o Governo deve ser mais sensível às questões sociais e agir com mais ponderação neste momento difícil por que passam os cabo-verdianos e, fundamentalmente, as famílias mais vulneráveis economicamente, sabendo que neste momento existem cidadãos por todo o país em insegurança alimentar e a maior parte destes, não consegue levar a panela ao lume”, concluiu.

Inforpress

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest