Vacina protegeu contra a malária 650.000 crianças no Gana, Quénia e Maláui

Vacina protegeu contra a malária 650.000 crianças no Gana, Quénia e Maláui

Mais de 650.000 crianças no Gana, Quénia e Maláui estão hoje mais protegidas contra a malária após receberem a primeira vacina contra a malária no mundo, administrada nos últimos dois anos através de um programa piloto, segundo a OMS.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o projecto piloto permitiu a administração de mais de 1,7 milhões de doses desta vacina (RTS,S).

“O número de crianças atingido neste período relativamente curto indica uma forte procura comunitária da vacina, bem como a capacidade dos programas de imunização infantil dos países para fornecer a vacina segundo um novo calendário (quatro doses até aos cerca de 02 anos) ”, refere a organização, em comunicado.


Segundo a OMS, a protecção proporcionada pela vacina RTS,S contra a malária, quando adicionada às intervenções de controlo da malária actualmente recomendadas, têm o potencial de salvar dezenas de milhares de vidas por ano.


“O Gana, o Quénia e o Maláui mostram que as plataformas de vacinação infantil existentes podem efectivamente fazer chegar a vacina contra a malária às crianças, algumas das quais sem acesso a um mosquiteiro tratado com insecticida, ou outras medidas de prevenção da malária”, afirmou Kate O’Brien, directora do Departamento de Imunização, Vacinas e Biológicos da OMS.


E sublinhou: “Esta vacina pode ser a chave para tornar a prevenção da malária mais equitativa e para salvar mais vidas”.


Pedro Alonso, director do Programa Global da OMS contra a Malária, sublinhou os “resultados notáveis” obtidos nas últimas duas décadas “com os instrumentos de controlo da malária existentes, evitando mais de sete milhões de mortes e 1,5 mil milhões de casos da doença”.


Contudo, alertou: “Os alvos-chave para o progresso da nossa estratégia global contra a malária continuam de fora. Para voltar ao bom caminho, são urgentemente necessários novos instrumentos – e as vacinas contra o paludismo devem ser uma componente essencial do conjunto global de instrumentos”.


Os conhecimentos obtidos através da implementação do projecto-piloto levarão a uma recomendação da OMS sobre uma utilização mais ampla da vacina em toda a África Subsaariana.


É esperada uma reunião, no próximo mês de Outubro, entre os órgãos consultivos mundiais para a imunização e a malária para uma revisão dos dados da RTS,S e a avaliação sobre se deve ser recomendada uma utilização mais ampla da vacina.


“De certa forma, a malária é a emergência de saúde infantil de uma vida – ou de muitas vidas – em África. Aplaudimos o trabalho dos países participantes no projecto piloto que resultou numa forte cobertura vacinal que irá aumentar a nossa compreensão do potencial da vacina RTS,S para melhorar a saúde infantil, reforçar o controlo da malária e, potencialmente, inverter tendências”, disse o chefe da equipa para Doenças Tropicais e Vectoriais da OMS para a Região Africana da OMS, Akpaka Kalu.


O mais recente relatório mundial sobre a malária revelou que em 2019 se tenham registado 229 milhões de episódios de malária e 400.000 mortes por esta doença.


Mais de 90% destas mortes ocorrem em África e a maioria – mais de 265.000 – em crianças pequenas.


A RTS,S é a primeira e única vacina que demonstrou reduzir a malária em crianças, incluindo a malária grave com risco de vida, internamentos hospitalares relacionados e a necessidade de transfusões de sangue.


Inforpress/Lusa

Fim

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Pode gostar também

Deixe um comentário

Follow Us