YALI 2023: A trabalhar com jovens, Nestor Andrade diz-se “comprometido em continuar a contribuir para o desenvolvimento de Cabo Verde por meio da educação”

Antes da partida para os EUA, o Balai Cabo Verde publica os depoimentos dos sete bolseiros cabo-verdianos que foram selecionados para a Mandela Washington Fellowship, no âmbito do Programa para Jovens Líderes Africanos (YALI) 2023.

Darlene Barreto, Michel Cabral, Melania Semedo, Wagner Gomes, Kesia Lima, Raúl Duarte Soulé e Nestor Andrade são os sete cabo-verdianos que partem neste mês de junho para os EUA para participar em mais uma edição do programa YALI onde integram um grupo de 700 bolseiros africanos. Até então, Cabo Verde conta com 48 jovens saídos desta iniciativa.

O gestor criativo de projetos e comunicação, Nestor Hernandez Carvalhal Andrade, nasceu há 31 anos na cidade Praia. Formado em Administração de Empresas (vertente de Marketing), Nestor Andrade fundou em Cabo Verde a ONG Raboita, da qual é atualmente presidente. Fui colocado no programa de Liderança em Civic Engagement (Participação Cívica) na Florida Gulf Coast University em Fort Myers, Florida.

Qual foi a tua motivação para concorrer à bolsa?

A minha motivação para concorrer à bolsa do Mandela Washington Fellowship foi impulsionada pelo meu objetivo de me tornar um ativo valioso para Cabo Verde, um líder proativo e pragmático, capaz de desenvolver soluções criativas para contribuir para o desenvolvimento do país. Acredito firmemente que cada cidadão desempenha um papel importante na construção da sociedade e que todos temos responsabilidade no desenvolvimento, independentemente do nosso tamanho ou alcance. Neste sentido, tenho trabalhado com e para jovens desde 2012 e estou comprometido em continuar esses esforços, contribuindo para o desenvolvimento de Cabo Verde por meio da educação. Ao candidatar-me ao Mandela Washington Fellowship, busco ampliar a minha visão, amadurecer a minha capacidade de liderança, aprimorar habilidades, melhorar atuais projetos e expandir minha rede de contatos.

Quais as expectativas quanto à formação?

Tenho expectativas muito positivas em relação a essa formação, pois acredito que ela irá me proporcionar uma oportunidade única de promover mudanças significativas por meio da educação. Estou ansioso para adquirir conhecimentos aprofundados e habilidades práticas em liderança, identificação de problemas, elaboração de projetos e desenvolvimento de metodologias eficazes. Além disso, espero ampliar a minha rede de contatos, interagir com outros líderes africanos e norte-americanos e colaborar em iniciativas de impacto social. (…) Após o treinamento, irei para Washington D.C., para participar da Cimeira de Liderança do Mandela Washington Fellowship, que acontecerá de julho até 3 de agosto. 

 

Que mais-valias achas que podes obter desta experiência, nomeadamente na tua área de atuação em CV?

Atuando na área de educação, busco criar um impacto duradouro através da ONG Raboita (…). O foco da organização é desenvolver projetos de suporte pedagógico e motivacional para jovens estudantes. Destaco o projeto Futura como nossa principal iniciativa, tendo formado 190 jovens em habilidades de liderança, competências interpessoais e conhecimentos técnicos necessários para enfrentarem os desafios do mundo contemporâneo. Como participante do Mandela Washington Fellowship, busco fortalecer o meu conhecimento e experiência em liderança, conceção e implementação de treinamento de desenvolvimento pessoal, adquirindo novas perspetivas e ferramentas. Através dessa experiência, desejo ser capaz de inovar, desenhar e implementar metodologias dinâmicas, interativas e de impacto, que proporcionem aos jovens estudantes oportunidades de crescimento pessoal e profissional. O meu objetivo é capacitar essa nova geração de líderes a enfrentar os desafios do futuro, contribuindo para o desenvolvimento de Cabo Verde.

Reprodução Facebook
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest