YALI 2023: Darlene Barreto espera “poder conhecer mais sobre África e sobre a cultura do nosso povo”

Antes da partida para os EUA, o Balai Cabo Verde publica os depoimentos dos sete bolseiros cabo-verdianos que foram selecionados para a Mandela Washington Fellowship, no âmbito do Programa para Jovens Líderes Africanos (YALI) 2023.

Darlene Barreto, Michel Cabral, Melania Semedo, Wagner Gomes, Kesia Lima, Raúl Duarte Soulé e Nestor Andrade são os sete cabo-verdianos que partem neste mês de junho para os EUA para participar em mais uma edição do programa YALI onde integram um grupo de 700 bolseiros africanos. Até então, Cabo Verde conta com 48 jovens saídos desta iniciativa.

Formada em Gestão de Marketing, a cabo-verdiana Darlene Kaly Garcia Barreto, 28 anos, é a presidente e fundadora da Fundação Orlando Pantera. A jovem que trabalha também como coordenadora de marketing vai fazer uma formação em Civic Engagement (Participação Cívica) e Liderança durante 6 semanas na Drexel University em Philadelphia, no estado de Pensilvânia, em conjunto com mais 24 africanos. 

Qual foi a tua motivação para concorrer à bolsa?

O Mandela Washington Fellowship é um dos maiores programas de liderança que existe atualmente focado, essencialmente, para nós, povos africanos. Já são mais de 4000 bolseiros que frequentaram o programa e fazem parte de uma rede de network global. Será uma oportunidade de aprendizagem e de intercâmbio com africanos de toda a Africa Subsariana, de perceber a realidade em que eles vivem e de partilhar a nossa também. Pertencemos todos ao mesmo continente, mas estamos muito afastados e através desta experiência espero poder conhecer mais sobre África e sobre a cultura do nosso povo.

Que mais-valias achas que podes obter desta experiência, nomeadamente na tua área de atuação em CV?

Esta experiência será uma oportunidade de aprender e melhorar as minhas competências de liderança cívica e de planeamento estratégico na condução de organizações não governamentais o que me dará mais experiência para desenvolver projetos na minha comunidade. Todo o programa é desenhado para que possamos ter conhecimento específico nas áreas em que nos candidatamos, mas também de uma componente de desenvolvimento de networking com líderes e organizações americanas e africanas para que no futuro possamos desenvolver parcerias em que ambas acrescem valor.

 

Reprodução Facebook
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest