YALI 2023: Wagner Gomes quer mobilizar parceiros e recursos para implementação de projetos de promoção dos direitos das crianças

Antes da partida para os EUA, o Balai Cabo Verde publica os depoimentos dos sete bolseiros cabo-verdianos que foram selecionados para a Mandela Washington Fellowship, no âmbito do Programa para Jovens Líderes Africanos (YALI) 2023.

Darlene Barreto, Michel Cabral, Melania Semedo, Wagner Gomes, Kesia Lima, Raúl Duarte Soulé e Nestor Andrade são os sete cabo-verdianos que partem neste mês de junho para os EUA para participar em mais uma edição do programa YALI onde integram um grupo de 700 bolseiros africanos. Até então, Cabo Verde conta com 48 jovens saídos desta iniciativa.

O gestor e docente Wagner da Graça Rodrigues Gomes, de 36 anos, é natural da Praia e trabalha nas Aldeias SOS de Cabo Verde. O praiense que é mestre em Gestão Internacional foi selecionado para fazer uma formação na área de Liderança em Engajamento Cívico na Appalachian State University, que fica situada na Carolina do Norte, na cidade de Boone.

Qual foi a tua motivação para concorrer à bolsa?

A minha motivação é e foi, principalmente, o desenvolvimento pessoal e profissional. A possibilidade de poder estar entre centenas de jovens líderes de diferentes países Africanos e interagir com especialistas e pessoas reconhecidas na área de liderança, num dos principais programas de treinamento a nível mundial, inspirado no nome de Nelson Mandela, foram os motivos para concorrer. De igual forma, experimentar a cultura americana e beber do modelo de gestão e liderança dos Estados Unidos, para mim, enquanto jovem profissional formado em gestão, cuja visão é ser um gestor de topo de referência, é fascinante.

Quais as expectativas quanto à formação?

Espero poder beber de outras experiências e aprender muito sobre liderança e como potenciar as minhas competências, de forma a poder melhor servir e contribuir para o desenvolvimento do meu país.

Que mais-valias achas que podes obter desta experiência, nomeadamente na tua área de atuação em CV?

Penso que essa oportunidade me permitirá consolidar e aprofundar meus conhecimentos e habilidades na área humanitária e engajamento cívico, como forma de estar mais bem preparado e munido de melhores ferramentas, para melhor desempenhar a minha função, que é mobilizar parceiros e recursos para a implementação de projetos e ações voltadas para a promoção dos direitos da criança, empoderamento das famílias e suas comunidades.

 

Reprodução Facebook
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest