Perguntas sem resposta

No HBS em São Vicente, para fazer uma análise de sangue para o HIV, é preciso trazer uma seringa. Para fazer o teste de tolerância à glicemia, é preciso trazer, e prestem atenção: 350ml de água, um copo, uma colher de sopa, 75 gramas exatos de açúcar, um limão espremido. As análises custam 350 escudos aos utentes do INPS, não sei se o preço é ou não ou mesmo para os outros utentes.

Ora, vamos aqui comentar umas coisas: O hospital considera ser mais simples cada utente deslocar-se a uma farmácia para ir comprar uma seringa que custa 10 escudos, em vez de adquirir o lote de seringas junto com todas as outras que já compra, e cobrar mais 10 escudos pelas análises.

O hospital também considera ser muito mais simples e exequível ter cada pessoa a ir pesar 75g de açúcar, em vez de, opção 1: fornecer o açúcar em pacotes já pesados ou, opção 2: ter uma balança no local, onde se pudesse ajustar a medida. Eu, no meu caso, trouxe açúcar de casa mas não tinha onde o pesar. Primeiro a rececionista disse-me que seria melhor eu o ir pesar a alguma loja ao pé. Então uma técnica ou estagiária ofereceu-se para o ir pesar, algures dentro do edifício. Não nos esqueçamos que por definição, estou em jejum, e não é recomendado que faça muitos exercícios, que poderiam aliás influenciar os resultados das análises.

O HBS também parece considerar mais simples ter as pessoas a andar com copos e colheres de sopa num saco, em vez de prover os mesmos. Sequer se poderá dizer que a estrutura não dispõe de talheres e copos, ou sistemas de lavagem de loiça, pois há um serviço de refeições para os internados. Também este serviço podia ser incluído no preço das análises. Será que é por eu ter mais poder de compra que acho mais simples pagar no hospital do que me deslocar à farmácia e a uma loja para adquirir a seringa e o açúcar?

Para piorar as coisas, a casa de banho está suja, sem papel higiénico e sem sabão, mesmo agora, em tempos de COVID-19.

E no entanto, o teste de tolerância à glicemia prevê urinar duas vezes nessa mesma casa de banho.

As técnicas tentaram facilitar ao máximo e estou agradecida. Pode ser que atrás de cada um destes procedimentos meio incompreensíveis, haja razões ponderosas.

Pessoalmente, gostaria de saber quais são. Tal como se diz muito por cá, estas perguntas vão para “quem de direito”.

Já agora: pedem que se traga um limão espremido mas o que querem dizer é o sumo de um limão. Um limão espremido é a casca que fica, aquela que ou deitamos fora ou usamos para fazer chá.

Agosto de 2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Eileen Almeida Barbosa

Eileen Almeida Barbosa

Escritora, intérprete e tradutora, já trabalhou no privado e no público, recebeu prémios literários, plantou árvores, escreveu livros, participou em antologias e pôs uma bela menina no mundo. Continua a escrever e a gostar do mar.

Todos os artigos